Feed

Assine o Feed e receba os artigos por email

domingo, 24 de julho de 2011

Perfume

O ápice sem fim
é quando exala
na centelha do meu costume
seu gosto de noite
provocando em mim
um sabor que não fala:
seu corpo é meu perfume,
um açoite
que me desestrutura
a parte
da procura
que encontrei...

6 comentários:

Nathacha disse...

Lindo, adorei!

Seguindo o seu blog :)

Se puder retribuir, ficarei grata.

Um bjo

Nah Phatcholly

Jão disse...

Encontrar

o perfume que inebria
o toque que acalenta
um beijo de prazer
dois olhares que se cruzam
mil milagres reinventados
nossos sonhos consumados


Abraços meu caro!

Sylvio de Alencar. disse...

Marcio

Gostei de sua poesia.
E de seu profile.

Abraços!

O Impenetrável disse...

lindo poema, certeiro, parabéns.

Dolce Vita disse...

Bela construção poética.

Dolce Vita disse...

Bela construção poética.

Arquivo do blog