Feed

Assine o Feed e receba os artigos por email

domingo, 8 de janeiro de 2012

Ao dia

Pela janela do agora
eis o candeeiro aceso iluminando
o horizonte e o nada.

Pela janela escapa a fragrância,
a tampa esquecida, a vida estampada,
a ânsia de escapulir
aos olhos dos homens
e fazer viagem aos ventos...

Nessas frestas o que interessa
é o caos, o amor súbito...
Interessa interestelar
abrigo - escombros
de uma paisagem morta.

A serpente precede o rastejo
que recomenda Deus
em suas presas
para aliviar sua falta de fé,
de proteção.

Pela janela os dias acabam
e são portas trancadas,
um vacuo de existir
ao ermo de caminhar.

Um comentário:

Samara Bassi disse...

ao dia, entrego as horas
e os risos de agora
entrego os espaços e
qualquer vão fincado nas areias de setembro
dos dezembros envelhecidos
guardo a revoada andorinhal
ao dia entrego afora, todos os motivos
de ancorar o riso
num cais seguro
num embrulho com sol
num arrebol ornando o olhar
num resquício de verso
por baixo da unha.

Sam

Arquivo do blog