Feed

Assine o Feed e receba os artigos por email

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Pássaro invisível

Tenho dentro de mim
um grito -
o alívio dos inocentes,
evaporado com as folhas
ainda mortas no chão.

Recolho os olhares
que esquecem
de me dizer adeus:

eles levam a descoberta
de um vento colorido.

E a boca muda,
a rua limpa, meu riso
das coisas,
também ficaram para trás
e eram invisíveis.

4 comentários:

Dauri Batisti disse...

Tens fora de ti um sussurro - o gemido do mundo. O fora e o dentro se misturam num único sentimento, o de ser humano, esse ser que faz poesia.

Parabéns pelo caminho que fazes, o da poesia.

Abraço forte.

Flávia disse...

E riso, mesmo invisível, nunca fica para trás.

Beijos, querido.

Samara Bassi disse...

Amigos, o meu blog "A Pequena Notável .poesia do cotidiano." foi alterado para o endereço abaixo:

http://samarabassi.blogspot.com/

Peço que atualizem e agradeço.
Meu abraço,
Sam

Samara Bassi disse...

é um voo rasteiro
na órbita do olhar
numa curva embalsamada de nuvem
e por do sol
a sua invisibilidade (pres)sentida
nos vãos da tarde
e sombreada no asfalto morno e borbulhante das grandes cidades.

Meu carinho,

Sam

Arquivo do blog