Feed

Assine o Feed e receba os artigos por email

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Saudação à infância

Eu tenho lembrança do tempo,
ostracismo torto de mim.
Tirar o sapato duro
é de um esforço inocente
com a alma brilhando a ternura
pelo olhar adulto.

A porta é hoje a liberdade
que cura o abrir e fechar,
andar de dorso nu
da cosinha ao quarto dizendo: tchau!

Eu tenho no peito
uma tosse fingida de ganhar afago,
as mãos esticadas
alcançando o futuro tão cansado.

A melhor hora é quando,
num estalido, ontem e hoje
se eoncontram, quase despercebidos,
pela varanda a saudar
minha entrada numa
pincelada pueril de encanto.

Um comentário:

Uma superfície de gelo ancorada no riso disse...

Uma nostalgia, uma lembrança bonita... que não envelhece no tempo.

Lindo.
Sam.

Arquivo do blog