Feed

Assine o Feed e receba os artigos por email

quarta-feira, 16 de julho de 2008

Fuga

Você se distrai, me importuna, me atrai
Causa-me um estalo, me sorri, me calo
Você me espreita, me convida, me aceita,
Está chegando em mim, me inunda
Me escreve um verso, sentimento enigmático,
Poema que faz explodir a emoção,
Que transborda pelo seu olhar um querer
Eu me deixo levar, a saudade me invade
Você se declara, eu me entrego
Um silêncio, um pedido de coragem
Um beijo, corpos que tremem
Você se diz sonho, eu acompanho
A mágica da vida entrelaçada pelo que nos faz laço
Você se diz minha, eu sempre fui
Os impulsos, as vontades, os desejos
Você perdida, mas me convida a entrar
Eu envolvido, você se atrapalha
Você me espalha, você me faz confuso
Você se diz estar em mim,
Mas você se retrai, meu mundo se esvai
Você se afasta, mas me arrasta para junto do abraço,
Diz que não quer me perder
Eu permaneço, não me reconheço
Meu endereço é sempre você.
Novamente me envolve,
Eu tento resistir, mas teu encanto me vence
Eu me perco em teu sorriso, mas sempre me arraso
Pois você, de repente me nega
Novamente eu não entendo
Minha alma se afoga em instantes bons
Meu coração não entende mais nada
Você é sempre assim:
Um surto da minha alegria
Num curto período de tempo,
Um furto das minhas tristezas
Que não sabem por que você age assim.
Eu me faço cansaço desse embaraço,
Sou fuga de você.
Não espere que me encontre
Pois eu já me faço perdido no silêncio
E na distância que encontrei
E que escolheu para você.

Arquivo do blog