Feed

Assine o Feed e receba os artigos por email

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Fé vermelha

Sobre um mar de agonia,
A panela fria fritando a espera de cozinhar as pedras que estão no caminho,
Mas escondidas.
Sobre um arreio de boi,
Os forasteiros ganharam o mérito das horas,
Foram nossas senhoras que nos trouxeram até aqui,
A fumaça ebulindo a abolição de muitas páginas rasgadas que ficaram para trás.
Sobre as palavras que vingaram,
A dança fez-se latente latejando o coração da gente
Como um tambor que profere a fé ferindo os nossos ais
Como auroras verdejantes de um tempo de outrora
Em que o cetro de nossos reis era feito das nossas riquezas:
muitos filhos, muitas mulheres.
Sobre nós,
O desassossego, a distância, o ermo,
O espelho mostrando uma face que não temos.
Queremos apenas o direito de uma página em branco
Para escrevermos a beleza de uma história que tentaram assassinar.
Queremos apenas caminhar nos flancos de uma vida
Com a autoridade necessária para decidir permanecer,
Participar ou desvanecer como rosas que murcham depois de um ardente sol.

Arquivo do blog