Feed

Assine o Feed e receba os artigos por email

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

leitura

ame o que não cabe
num encaixe de tempo,
dia afora sem plástica,
sem as necessidades
de preencher vazios furados.
ame o que os olhos
não entendem,
um mosaico de segredos
escondidos por trás
de cada olhar,
pois há mais palavras
numa breve pausa
esperando que a leitura
diga o que ainda está
por escrever...

2 comentários:

Mai disse...

Amar o que se espalha, esborra, estrapola, mais que uma leitura é um risco a ser escrito e lido em suas dores e delícias.

beijos, poet'amigo

Sam disse...

...E por fim, as entrelinhas, são mesmo tagarelas!

Bejo meu

Arquivo do blog