Feed

Assine o Feed e receba os artigos por email

quarta-feira, 9 de março de 2011

cor de breu

tenho comigo uma aposta
do que gosto,
a palavra que digo
ainda posta
sobre uma mesa,
a vida presa
que deixei descoberta
em agosto.

eu vejo sim,
os muros brancos,
as pedras nas ribanceiras
e toda sorte de histórias
que eu invento...

ontem, esses dias,
eu fui como um vaga lume
buscando no estreito da noite
a minha sina desapegada,
e dancei na chuva...

e meus olhos foram
duas castanhas solitárias
presas pelo labirinto
de tantas íris
que me seguiam entre
vãos e cômodos.

foram algumas estrelas
como um lembrete,
uma fantasia
que ardia em minha alma
como arde a labareda
dos orvalhos e das manhãs.

a madrugada vestida
de criança e um refrão
sendo a criação, a rima,
sendo o toque, um verso
sendo escrito ainda juvenil
pelo breu lá de fora
sendo a cor que derramava
pelos seus ombros de marfim.

embora, ali, nem me percebia,
somente ria com seu olhar
de ciranda...

2 comentários:

Sam disse...

"foram algumas estrelas
como um lembrete,
uma fantasia
que ardia em minha alma
como arde a labareda
dos orvalhos e das manhãs"

Eu não saberia escrever nada igual, mas senti na pele essa suposta imensidão.

Devo ter encontrado alguma estrela fofoqueira...

Abraços, flores e estrelas...

Hugo de Oliveira disse...

Você tem um sensibilidade maravilhosa.

abraços

Arquivo do blog