Feed

Assine o Feed e receba os artigos por email

domingo, 29 de novembro de 2009

Muro

Com a cara cheia de espanto
desceu o muro do mundo
e foi plantar bananeira remando as marés
e seus abissais.
Tinha fruto e tinha pedra,
tinha lona e tinha palco,
tinha o espaço de um asfalto,
tinha a perca de uma espera.
E nessa esfera de vazio
foi parco o estio que se desenhou,
nenhum olho derramou aurora,
nenhuma boca se encheu de adeus,
pois ficou o que tinha ido embora,
e foi-se ausente o desmantelado
martelo de um presente,
que agora eram folhas findas
no rascunho incorrigível da memória.
Com a cara despida de pranto,
a agulha era viés
de costurar retalhos de instantes
que o insone da noite
desenhou de solidão.

Arquivo do blog