Feed

Assine o Feed e receba os artigos por email

domingo, 1 de novembro de 2009

Pirâmide de faces acesas

Ainda sou essas sobras de poeira
assentadas no chão,
o vento irrompendo contra
as pernas quase nuas
da mulher descendo a ladeira
e um vestido estampado
resvalando a pele,
revelando uma beleza dançante
ao quebrar dos quadris...
Ainda sou essas arestas de tempo
espalhadas pelas horas vadias,
um cálice postado à mesa,
dois olhares sustentados
pelos cotovelos numa pirâmide
de faces acesas pela luz da paixão...

Arquivo do blog