Feed

Assine o Feed e receba os artigos por email

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Pelo sereno

Em minha ruína diária,
trago a força ambivalente
do meu sótão de tristezas,
asperezas essas que
indignificam meus restos,
meu entremeio de acolá.
Pela acuidade das horas,
verseja áspide e indolente,
o ritmo sem cálculo que já foi meu fim
e, agora, tão puro e – quando minto –
sinto tão somente um rol
espargido num fim absurdo...
Há um casulo de idéias
arando meu arauto
de confinamento,
pois minha alcova, ó cetro
que devora minha mão,
é armadura amarga
que consola-me em tenras
horas da minha madrugada
sem orvalho.

3 comentários:

Mai disse...

Você escreve sobre os sentimentos que ficam nos porões e, novamente, como não é óbvio, os pos ao sereno e os dispôs em um sótão.

Pois é, coisas de quem tece com fios delicados e sempre se acha e deixa nos labirintos o rastro a quem não quiser se perder ou quem sabe se achar?

Abraços meu amigo tecelão.
Bom feriado, saudades sempre...

Beatriz disse...

Teu poema doí em cada verso, e ao fim seca como que exaurido. muito bom.
beijo beijo poeta

freefun0616 disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,

Arquivo do blog