Feed

Assine o Feed e receba os artigos por email

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Vagão

Pela linha servil do movimento,
vou, vagão solitário
com meu marchar tão lento,
buscar nesse horizonte
alguma fuga, algum alento
para me fartar dessas paisagens
urbanas, me impregnar de gente,
ser uma janela sem vidraça,
uma porta aberta
que não precisa de passagem
para me fazer viagem
sem a desnecessária
bagagem de uma mala vazia.
Levo as imagens gravadas
dos sorrisos tão tímidos
e uma saudade guardada
numa mão que teimou em não abrir
para o aceno do adeus...

Um comentário:

Mai disse...

São sonoros os trens e são fortes também. E ainda que solitário, o vagão chegará ao seu destino. este é o milagre de andar sobre trilhos.
beijos, poeta.

Arquivo do blog