Feed

Assine o Feed e receba os artigos por email

terça-feira, 26 de outubro de 2010

arrebol

...não foi a andorinha
distante que perdeu forças
e caíu pela miopia
dos meus olhos,

nem o crepitar desse laranja,
nem o infinito desse azul...

a causa do meu espanto
foi ver, entre postes e fios,

horizonte e crepúsculo
equilibrados
no abandono da cidade

sem nenhum arranha céu
para manchar de cinza
essa poesia.

4 comentários:

Sam disse...

passou rasante a linha do pensamaento.

Embaralhou a vista turva nas alturas.

Despencou.

talvez o vento tenha pesado demais e procurado abrigo em passos leves mais abaixo...

Mais ali, mais aqui, no embalar dos versos que pintam a aquarela dos dias mais cruéis com cores berrantes, vibrantes e tons pastéis.

Abraços, flores e estrelas...

Carla Diacov disse...

Adorei aqui!
Tudo...
E também adoraria ver tua honrada visita pelas minhas chafurdadas coisas;
carladiacov.blogspot.com
larcavodica.blogspot.com
odesimundasdoneochiqueiro.blogspot.com
carlacarlacarlac.multiply.com

Lara Amaral disse...

Poema límpido, nenhuma mancha, posso até ver seu horizonte distante. Lindo!

Mai disse...

Límpido. Adoro esta palavra e a imagem que ela evoca.

beijos

Arquivo do blog