Feed

Assine o Feed e receba os artigos por email

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Arcabouço

Eu tive um lapso de tempo
e ali estava guardado tudo que era só meu:
eu amei tudo que tinha amado,
eu sorri tudo que era risonho,
fui um berço estranho
e fuga de não querer
onde passei meus instantes
colhendo encantamento.
Agora o momento me pertence,
pois eu quero amar o que é distante,
meu corpo cambaleante
é um cálice derramado de mim,
sou vento forasteiro
nessa terra tamanha
de caçar ilusões pelo labirinto do sentir.
Tuas mãos estavam sobre meus ombros
e o segredo que eu senti
está guardado em teu coração,
pois meu olhar não desvia
nem te perde de vista
pelo arcabouço do salão.

Arquivo do blog