Feed

Assine o Feed e receba os artigos por email

sábado, 10 de abril de 2010

Crônica do pós moderno

Estamos no tempo da náusea onde somos cidadãos do mundo, mas nos sentimos estrangeiros de nós mesmos. É só, sem tino ou inteligência, observar o movimento das pessoas caminhando como ondas no mar imenso das cidades de pedra. São as calçadas, onde os tropeços, onde a pressa e o foco, na miopia virgem das horas, as melhores companheiras. E tanta face ausente, tanto rosto triste por cima dos viadutos, um olhar atrás do muro, outro a espreita do incrível silêncio que se faz pelo barulho ausente... Acho que Camus e Sartre, de alguma forma, abandonando às dialéticas da filosofia, possuem alguma verdade no que tange à solidão humana. Somos depressivos, um mal da pós modernidade, não há como fugirmos, estamos emaranhados nessa corrente. Aonde iremos? Não sei responder.

5 comentários:

Sentimentalidades-Todas disse...

Acho que vamos em busca do afrouxar dos elos da corrente.
Talvez o simples buscar já nós garanta algum aproximidade da "cura".

Mai disse...

"É só observar o movimento das pessoas caminhando como ondas no mar imenso das cidades de pedra."

O destino é a foz e, enquanto isto haja poesia e chuva.
beijos, meu grande amigo.

Sylvia Araujo disse...

O olhar é quem pinta o cinza do pós moderno. A fuga é dentro.

beijoca

Lílian Alcântara disse...

A depressão cura-se com a "dê pós são" como diria um amigo meu, um bêbado amigo meu, digo.

Mai disse...

Márcio, que passa?
Cinco dias sem ler-te e já me bate 'sordade'.

Beijo, amigo poeta.

Arquivo do blog