Feed

Assine o Feed e receba os artigos por email

domingo, 22 de agosto de 2010

De carne e sonho

O sempre é tudo e nada
um pé descalço perene
pela estrada...
As gargantilhas do desespero,
o tombo da lucidez,
a líquida imagem
do amor: são tudo mar,
tudo estrelas,
constelação de versos
que atrela em minha alma
o desejo consistente,
a fome de sal e pedra,
a lânguida insensatez
de me construir
de verbo,
de me destituir desse
aço irreversível de razão
e me fazer
de carne e sonho.

2 comentários:

Mai disse...

São esses poemas que eu falo, tu cometes na emoção dos comentários e espalhas por ai.

Vez outra eu encontro um desses no 'inspirar'.

Simples assim, poemas.

abraço imenso

Lara Amaral disse...

O material sempre etéreo de que é feito o poeta.

Gostei, Márcio!

Beijo.

Arquivo do blog