Feed

Assine o Feed e receba os artigos por email

domingo, 5 de dezembro de 2010

Fotografia

A árvore zumbia ao som do vento. Os galhos lançavam folhas ao ar. Ela ficava quieta, olhar instigado, a alma preenchida de tanta emoção. A mãe a pegava pela mão e se iam calçada afora. As nuvens pareciam bailarinas ao ar, zombeteavam para lá, para cá, e Raquel sorrindo. A mãe ralhava: "olha para o chão, menina!".

De tardinha, debruçada sobre a janela, queixo escorado pelas duas mãozinhas espalmadas. O varal balançando. O olhar distante e perdido na imensidão do horizonte. Aquele céu vermelho. O sol se escondendo atrás da rua longínqua. A menina rabiscava tudo num caderno de brochura.

Quando a mãe lhe trouxe um presente, a menina desembrulhou. "é uma câmera, mamãe!", e sorria, e pulava, e cantarolava. Saia correndo pelo quintal, e captava tudo que via pela lente da máquina. A velha polaroid revelava tudo na hora.

Quando voltava, espalhava tudo pelo chão, e pegava o caderno de brochura e escvevia. E eram desenhos e palavras, uma confusão de coisas que conseguia registrar do instante. Raquel tinha sede do que ficava escondido aos olhos cegos do mundo. Queria mostrar o inefável.

3 comentários:

Bella disse...

Lindo, lindo! Amo tirar fotografia tbm! Quando li seu texto fiquei inspirada. Amei a Raquel, ela é muito fofa (:

Pb.

Lara Amaral disse...

=)

Sam disse...

As fotografias são pássaros alados que cantam nossas lembranças e saudades nesse tempo hoje em dia, tão sem memória.

Márcio querido,

Passe lá em casa, no "Vou te contar..." que tem um presentinho pra você ;-)

Beijo na alma!

Arquivo do blog