Feed

Assine o Feed e receba os artigos por email

terça-feira, 19 de abril de 2011

O semeador

Espalhe teus centeios pelo bucólico do chão.
Lá é estrada e tempo - onde se colhe
um deserto de vaidades
ou um campo fértil de alfazemas.

Na condição da falta de estima,
és teu lenço, tua esgrima,
a falta que não sentes, mas rima
esférica que acaba sem fim.

Pois teu ciclo, teu invento de verdade
é teu riso, tua faina e lustre.
És o ocre que se levanta e faz juz ao timbre
da cor, do arco íris que se desenhou
pelo crepúsculo dos dias.

Teus medos são coragens escondidas
que as gaiolas e nenhuma ruína
arruinam com teimosia, pois o músculo feroz
do teu brio, é um vício que está escrito
na memória dos bravos.

Assim, no acre das multidões,
sejas doce enquanto durar a plantação,
pois entre o orvalho e o grão,
há o sabor das recompensas
e o riso da colheita.

4 comentários:

Sam disse...

O plantio é opcional.
A colheita, é obrigatória.

Muito belo, Márcio.

Katrina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Katrina disse...

semeando poesia

CARLA STOPA disse...

Queria eu que meus medos se transformassem em coragens escondidas...Beijos meus, amigoooooo...

Arquivo do blog