Feed

Assine o Feed e receba os artigos por email

terça-feira, 5 de abril de 2011

pela pausa dos meus olhos

de tanto atender
às preces lá de fora,
quedando-me,

a face ainda nua
descobrindo fragmentos
da rua que ardem
meus soluços,

que amordaçam
meus silêncios,
descubro-me desajeitado
espalhando meus medos
como pequenos cacos de telha
pelo chão.

lá fora,
onde a calçada
foi gasta pelos meus pés,

lá fora
profetizando o agora
com lenço e segredo,

eu vi duas borboletas
alçando vôo pela pausa
dos meus olhos que buscavam
algum azul, algum arrebol

pela tarde gris desse invento
de tingir o meu dia
de chuva e de sol.

2 comentários:

Lara Amaral disse...

Ficou lindo, Márcio!

Beijo.

Katrina disse...

Tenho ligações com borboletas que se desfazem no bater de suas asas.

Sempre vejo seus poemas.

Arquivo do blog