Feed

Assine o Feed e receba os artigos por email

domingo, 9 de janeiro de 2011

charco de pedras

as horas que ainda guardo
é o tempo que ainda tenho
e nenhuma pedra é imensa
para alcançar meu caminho,
nenhum buraco é largo
para inundar meus pés
nesse charco de esperas...

o instante que deixei voar
foi uma grade que não me prendeu
nem me alcançou com
os olhos fitos no horizonte,
nem tatuou em minha pele
alguma fonte de lembrança.

meus ossos são uma pele encoberta
desse aço que nenhum saudade
corrói, minha face ornada
de verniz e de sol, é onde um dia
aprendi a equilibrar o ontem
e qualquer futuro
com a cortina transparente
de hoje.

Um comentário:

Naná disse...

Muito original o título!

e o poema todo muito musicado também!


:)

Arquivo do blog