Feed

Assine o Feed e receba os artigos por email

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Lânguida noite

Se hoje esqueço
Que o que se faz se fana
E enrijeço a alma
Como uma tábua plana

Eu me vejo
De volta
no cerco
Desse meu triste berço

Mas o que eu quero mesmo
É apenas voar
Como pequenos vaga-lumes

Na languidez das horas
Pela vastidão da noite.

Arquivo do blog